AdSense

ÚLTIMAS

recentposts

Truvada, o polêmico medicamento que promete impedir o avanço da Aids

Testes sobre a eficácia da droga acontecem em São Paulo e no Rio de Janeiro. Se aprovado, comprimido oral diário pode evitar contaminação do vírus, mesmo com sexo sem camisinha

Homens gays, casais sorodiscordantes e dependentes químicos de drogas injetáveis seriam público-alvo do Truvada. Arte: Jarbas/DP/DA Press
Homens gays, casais sorodiscordantes e dependentes químicos de drogas injetáveis seriam público-alvo do Truvada. Arte: Jarbas/DP/DA Press



Centro de Referência e Treinamento DST/Aids, Rua Santa Cruz, número 81, Vila Mariana, São Paulo. O endereço já fazia parte da rotina de Felipe Campos, 24 anos, quando deu de cara com uma propaganda sobre os testes envolvendo o Truvada no mural do CRT. Editor de vídeo e estudante de teatro, o jovem ficou curioso. Voltou para casa, matutou a respeito e resolveu se voluntariar. Não só ele, mas o namorado também. "Um mês depois, fizemos uma primeira entrevista no próprio local para avaliarem se nosso perfil se encaixava no que eles estavam procurando”, explica. "Nenhum de nós é soropositivo, mas fomos selecionados por termos um relacionamento aberto". A promessa do Truvada é barrar a infecção pelo vírus HIV com um único comprimido, tomado religiosamente todos os dias. Desde o ano passado, uma pesquisa sobre o medicamento vem sendo tocada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e pela Fundação Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro. Seria o começo do fim da infecção que já matou mais de 30 milhões de pessoas?

Saiba mais...
Prevenção medicamentosa da aids ainda é pouco prescrita, diz estudoEspecialistas defendem tratamento imediato após diagnóstico de aidsONU pede US$ 32 bilhões anuais para eliminar aids até 2030
Nos Estados Unidos, o Truvada foi aprovado pela agência sanitária Food and Drug Administration em 2012. Composta pelos antirretrovirais tenofovir e emtricitabina, a droga já era usada como profilaxia de pós-exposição, ou seja, para tratar soropositivos. Depois de um estudo divulgado pela renomada Science Translational Medicine, ficou claro que a mesma também poderia evitar o contágio por HIV. Liberado para comercialização no mercado norte-americano, a Organização Mundial da Saúde passou a recomendar fortemente seu uso pelos chamados grupos de risco: homens gays, casais sorodiscordantes (quando um tem o vírus) e dependentes químicos de drogas injetáveis. Diante desse quadro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária registrou o medicamento no Brasil. Mas só a aprovação do Ministério da Saúde pode autorizar sua distribuição pelo Sistema Único de Saúde.

Ao todo, 500 homens gays e mulheres transgêneros (cujo sexo de nascimento é masculino, mas sua identidade de gênero é feminina) voluntários participam dos testes do Truvada nas duas maiores cidades brasileiras. Durante um ano, vão tomar um comprimido oral diário. Os resultados ainda não foram divulgados, mas não há registro de inadequação à droga até o momento. "Assim que concluirmos o estudo, vamos encaminhá-lo ao Ministério da Saúde", conta Dr. Ester Kállas. Professor na Universidade de São Paulo e infectologista à frente da pesquisa, ele trabalha com a hipótese de o medicamento ser liberado já em 2016. Atualmente, quem precisa chega a pagar R$ 2 mil a uma importadora por uma cartela com 30 comprimidos. Em um ano, o gasto atingiria R$ 24 mil. Uma vez aprovado, não significa que qualquer um possa solicitar essa cartela. "Às vezes, as pessoas erram em suas autoavaliações. A distribuição será feita mediante uma abordagem abrangente, considerando o grau de vulnerabilidade do paciente à contaminação".

No tratamento há 24 semanas, Felipe passou pela abordagem abrangente de que fala Dr. Ester. Após a primeira entrevista, vieram os exames clínicos. As possíveis reações adversas foram explicadas amiúde. Além da entrega da droga, há também um acompanhamento frequente. Nas consultas, inclusive, existe a preocupação de defender o Truvada como um método complementar, nunca exclusivo. "Como tenho outros parceiros, a camisinha sempre foi algo presente na minha vida. Não é porque passei a tomar o Truvada que deixei de usá-la". O jovem ainda discorda de quem acha que a liberação do composto pode resultar na suspensão do uso do preservativo. "Não deixo de usar porque me sinto mais seguro assim, mas o estado precisa entender que as pessoas devem se responsabilizar por suas escolhas. Essa suposição não pode impedir a descoberta de mais um método preventivo".

Expectativa é de que a profilaxia pré-exposição impeça a transmissão do vírus HIV. Arte: Jarbas/DP/DA Press
Expectativa é de que a profilaxia pré-exposição impeça a transmissão do vírus HIV. Arte: Jarbas/DP/DA Press

Seu argumento se agarra aos dados referentes a infecções por HIV no Brasil. Nada animadores. O último relatório das Nações Unidas sobre o tema mostra que o país sofreu um aumento de 11,8% no número de infectados entre 2005 e 2013, enquanto a taxa mundial caiu 27,6% no mesmo período. Em Pernambuco, 20.334 soropositivos, sendo que 6,5 mil deles surgiram nos últimos cinco anos. Recife, sozinha, é responsável por 40% (8.115) de todos os casos no estado. Coordenador do programa estadual de DST/Aids em Pernambuco, François Figueirôa acredita que o fenômeno é geracional. "Os jovens de hoje não viveram a epidemia da doença nos anos 1980. Por isso, é preciso pensar em novas formas de conscientizar esse público. A estratégia de promoção da camisinha precisa ser reinventada". A favor da pesquisa sobre o Truvada no país, ele não se esquece de reiterar que o medicamento é anti-HIV, não anti-DST. "E as outras doenças sexualmente transmissíveis?". Responde batendo na tecla da prevenção complementar.

Recém-chegada do Canadá, Dra. Heloísa Ramos marcou presença na edição 2015 da International AIDS Society Conference. E está animada com o que ouviu por lá sobre a eficácia do Truvada. "Essa é uma discussão necessária. Além de trazer benefício pessoal, é um tratamento que ainda evita a transmissão. O próximo passo é constatar sua adequação ao cotidiano do brasileiro". Seu único porém é o gênero masculino empregado na última frase: brasileiro. "Alguns palestrantes mencionaram o fato de que o Truvada só se mostrou eficaz em homens, não em mulheres. Ainda não se sabe o motivo, mas há esse indicativo". O benefício feminino, por sua vez, pode vir a reboque. Caso um marido soropositivo faça uso do medicamento, ele consegue impedir a transmissão do vírus à esposa. "Mas ainda há muito a se pesquisar".

Pílula antiaids
Por enquanto, a novidade aprovada pelo Ministério da Saúde é a distribuição da pílula antiaids, já chamada de pílula do dia seguinte. O composto retroviral de tenofovir e lamivudina começou a ser distribuído ainda nos anos 1990. Desde o último 23 de julho, no entanto, qualquer indivíduo que tenha sido exposto ao risco do contágio por HIV tem acesso facilitado à medicação. Profilaxia de pós-exposição, o comprimido deve ser tomado por 28 dias consecutivos, sendo o primeiro deles em até 72 horas após a exposição. Na figura de José Cândido, o Fórum de ONG/Aids de Pernambuco parabeniza a iniciativa, mas olha enviesado à forma como a droga vem sendo divulgada. "Chamar de pílula do dia seguinte faz com que as pessoas pensem que o composto seja um simples anticoncepcional. Não é bem assim. Os remédios são fortíssimos, com possíveis efeitos colaterais. Eles devem ser usados em uma emergência". No Recife, a medicação pode ser encontrada nos hospitais Agamenon Magalhães e Correia Picanço.


Fonte : diariopernambuco
Truvada, o polêmico medicamento que promete impedir o avanço da Aids Reviewed by Bom Jardim News on terça-feira, agosto 11, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário:

Todos os Direitos Reservados Bom Jardim News © 2017

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.